A EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Problemas sociais = Voto

* Por Dalvan

De quatro em quatro anos, nosso país elege pessoas para representar o povo (ou que pelo menos deveriam) para fazer de nossos problemas soluções, para melhorar o que está ruim e para continuar desenvolvendo aquilo que já está bom. De quatro em quatro anos, somos enchidos de esperança de que os problemas sociais e econômicos que o Brasil tem serão resolvidos. Somos enchidos como uma bexiga gigante, onde dentro dela existem muitas promessas.
Já é mais do que o governo atual dizer que melhorou o país, que resolveu os principais problemas, que tirou “trocentas” pessoas da pobreza, que investiu em saúde educação e emprego mais do que o antigo mandatário. A oposição por sua vez (obviamente), procura falar dos problemas que não foram resolvidos, do desinteresse do governo pelo povo, dos desvios de dinheiro. Mas o governo e a oposição de todas as eleições têm uma coisa em comum: fazem dos problemas do Brasil uma troca de votos (“votem em mim/meu partido que lhe darei seu tão sonhado emprego).
A “troca de favores”, “o toma lá da cá”, “a troca de votos”, são termos de uso no eufemismo, o verdadeiro nome de tudo isso é roubo! A política faz dos problemas do Brasil uma moeda de troca, ou seja, quanto mais problemas, geralmente mais o povo é enganado. Trocam “um hospital bem equipado por uma dentadura” como mostra uma propaganda.
A população se deixa enganar cada vez mais. Mal sabem eles que aquele boi, aquele carro, aquele dinheiro que “ganharam” dos políticos corruptos, poderiam ser grandes hospitais equipados, melhores escolas. A ludibriação da população é proporcional aos problemas vividos por eles, e isso acaba se tornando uma bola de neve que vai se acumulando de quatro em quatro anos.

Dalvan Goes é aluno do Terceiro Ano do Ensino Médio do Colégio Carlina Barbosa de Deus onde tem se destacado com seus textos críticos.

Voto, democracia e corrupção

* Por Jones Brandon

O Brasil é um país presidencialista no qual a escolha de seu líder dar-se por eleições diretas. Nessa ocasião, a tensão predomina simultaneamente com a corrupção, e torna-se comum a indústria dos votos.
No passado, a democracia era muito almejada e necessitou de inúmeros sacrifícios para se concretizar, porém atualmente é desvalorizada com a venda de votos.
A extrema pobreza, característica marcante do subdesenvolvimento, pode ser considerada a causa da comercialização do voto, afinal o pobre e necessitado não poderá suportar tais subornos, porque se trata de sua existência.
Infelizmente, as pessoas estão cada vez mais capitalistas, esquecendo, assim, a razão e transformando o mundo em pura corrupção e descaso social. Reclamações frequentes e pessimismo diante do governo são frutos da irracionalidade em épocas de eleições.
A importância de um pequeno gesto para o destino do país, o voto, deverá ser invendável para que surjam modificações significativas no bem-estar do Brasil. Nas eleições, deve-se corrigir alguns erros passados.
Pode-se constatar que a corrupção existente no país é proveniente de más escolhas, estas são responsáveis pelo grande número de problemas aparentemente sem solução. Votar com consciência é traçar os caminhos para a melhoria da sociedade.

* Jones é aluno terceiranista do Colégio Carlina Barbosa de Deus e estagiário do Ministério Público do Estado da Bahia.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010